Digitalização de Documentos:

soluções de qualidade para acervos arquivísticos

Palavras-chave: Preservação digital, Gestão de projetos de digitalização, Digitalização de documentos arquivísticos, Arquivologia

Resumo

Tratar-se-á de um relato de experiência que demonstra apontamentos para a sistematização e aplicabilidade de um Modelo de Produtividade de Digitalização para documentos arquivísticos, corroborando com a ampliação do acesso à informação e ações de preservação dos arquivos. O trabalho faz parte de um projeto de pesquisa com uma dimensão mais ampla, visto que tal modelo busca atender além da área arquivística, também a Biblioteconomia e Museologia, mas especificamente neste trabalho, abordaremos resultados acerca somente da área arquivística. O trabalho vislumbra disponibilizar conteúdo útil para garantir melhores práticas em projetos de digitalização de documentos, no sentido de possibilitar produtividade, interseção harmoniosa entre quantidade e qualidade, dos trabalhos executados em instituições públicas e privadas. A digitalização de documentos envolve etapas de recepção, conferência, preparo, captura, indexação, inspeção, controle de qualidade, remontagem e devolução de documentos. A metodologia apresenta-se como pesquisa documental, analisando relatórios de produção nos projetos. Utilizou-se como referencial, normas do Conselho Nacional de Arquivos e legislação brasileira, o guia PMBOK para gerenciamento de projetos, trabalhos acadêmicos de autores producentes deste entorno temático. Os resultados preliminares evidenciam melhoria na produtividade. Nos projetos de digitalização investigados, demonstra-se latente ausência de domínio teórico-prático, fundamentais para geração de arquivos digitais (representantes digitais) confiáveis, que permitam longevidade, e por conseguinte, preservação. É hora de digitalizar com qualidade! Essa frase permeia toda discussão, nela estão embutidos princípios e práticas que atrelam elementos da Administração, Gestão de Projetos, Tecnologia da Informação e Comunicação, aliadas à Arquivologia.

Biografia do Autor

Pablo Soledade de Almeida Santos, Universidade Federal da Bahia (UFBA)
Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação (PPGCI/UFBA). Mestre em Ciência da Informação pelo PPGCI/UFBA. Especialista em Administração Hospitalar pela Escola de Administração (UFBA). Bacharel em Arquivologia pelo Instituto de Ciência da Informação (ICI/UFBA). Empreendedor e Profissional autônomo. 
Zeny Duarte de Miranda, Universidade Federal da Bahia (UFBA)
  Professora Titular da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Doutora em Letras, UFBA. Pós-Doutora em Ciência da Informação em Plataformas Digitais, Faculdade de Letras da Universidade do Porto, com bolsa da Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT), Ministério da Ciência e Tecnologia e Ensino Superior de Portugal. Pesquisadora e Orientadora do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação – Mestrado e Doutorado (PPGCI) – UFBA. Coordenadora do G-Acervos – CNPq. Memorialista. Escritora. 

Referências

ARELLANO, Miguel Angel. Preservação de documentos digitais. Revista Ciência da Informação, Brasília, v. 33, n. 2, p. 15-27, maio/ago., 2004
BACHELARD, Gaston. A epistemologia. Tradução de Fátima Lourenço Godinho e Mário Carmino Oliveira. Lisboa: Edições 70, 2006.
BAGGIO, Claudia Carmem; FLORES, Daniel. Documentos digitais: preservação e estratégias. Biblos: Revista do Instituto de Ciências Humanas e da Informação, v. 27, n. 1, p. 11-24, jan./jun. 2013.
BELLOTTO, Heloisa Liberalli. Arquivos Permanentes: tratamento documental. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 2004.
BELLOTTO, Heloisa Liberalli; CAMARGO, Ana Maria de Almeida. Dicionário de terminologia arquivística. 1. ed. São Paulo: Secretaria de Estado da Cultura do Estado de São Paulo. 1996.
BRASIL. Conselho Nacional de Arquivos. Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos. Glossário de documentos arquivísticos digitais. Rio de Janeiro: CONARQ, 2014
BRASIL. Presidência da República. Arquivo Nacional. Dicionário brasileiro de terminologia arquivística. Rio de Janeiro: [s.n]., 2005
BRASIL. Presidência da República. Arquivo Nacional. Resolução nº 31, de 28 de abril de 2010. Dispõe sobre a adoção das Recomendações para Digitalização de Documentos Arquivísticos Permanentes. Disponível em: http://conarq.gov.br/resolucoes-doconarq/273-resolucao-n-31,-de-28-de-abril-de-2010.html Acesso em: 15 jul., 2018
BRASIL. Presidência da República. Lei nº 12.682, de 9 de julho de 2012. Dispõe sobre a elaboração e o arquivamento de documentos em meios eletromagnéticos. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/Lei/L12682.htm. Acesso em: 15 jun., 2018
BRASIL. Presidência da República. Medida Provisória nº 881, de 30 de abril de 2019. Institui a Declaração de Direitos de Liberdade Econômica, estabelece garantias de livre mercado, análise de impacto regulatório, e dá outras providências. . Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2019-2022/2019/Mpv/mpv881.htm. Acesso em: 15 jun., 2018
BURD, Daniel. Mais produtividade com menos stress. 2019. Disponível em: https://calldaniel.com.br/o-que-significa-produtividade/. Acesso em 15 jun. 2018.
CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS (CONARQ). Carta para preservação do patrimônio arquivístico digital. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005
CONVERSÃO. In.: DICIO, Dicionário Online de Português. Porto: 7Graus, 2018. Disponível em: https://www.dicio.com.br/conversao/. Acesso em: 15 jun., 2018
DRUCKER, P. Ferdinand. O melhor de Peter Drucker: a administração São Paulo: Nobel, 2002.
DURANTI, Luciana. Rumo a uma teoria arquivística de preservação digital: as descobertas conceituais do Projeto InterPARES. Arquivo & Administração. Rio de Janeiro: Associação dos Arquivistas Brasileiros, 2005. v. 4, n. 1, p. 5-18.
FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Dicionário da língua portuguesa. 8. ed. Curitiba: Positivo, 2018.
FLORES, Daniel. Manutenção da autenticidade, confiabilidade e fonte de prova dos documentos arquivísticos digitais (do SIGAD ao RDC-Arq). Câmara Municipal de São Paulo. São Paulo – SP. 124 slides, color, Padrão Slides Google Drive/Docs 4x3. Material elaborado para a Palestra na Unicamp, 2016.
FROHMANN, Bernd. O caráter social, material e público da informação. In: FURTA, Mariangela S.L.; MARTELETO, Regina Maria; LARA, Marilda L.G. de. A dimensão epistemológica da Ciência da Informação e suas interfaces técnicas, políticas e institucionais nos processos de produção, acesso e disseminação da informação. Marília: Fundepe, p. 19-34, 2008.
LUZ, Charlley. Digitalizar documentos é dar a cada usuário a informação que precisa. Disponível em https://www.linkedin.com/pulse/digitalizar-documentos%C3%A9-dar-cadausu%C3%A1rio-informa%C3%A7%C3%A3o-que-charlley-luz/. Acessado em 15 jun. 2018.
PMI. Um guia do conhecimento em gerenciamento de projetos. Guia PMBOK. 6ª ed. – EUA: Project Management Institute, 2017
TRANSFORMAÇÃO. DICIO, Dicionário Online de Português. Porto: 7Graus, 2018. Disponível em: https://www.dicio.com.br/transformacao/. Acesso em: 27 set., 2018
TRANSLADAÇÃO. DICIO, Dicionário Online de Português. Porto: 7Graus, 2018. Disponível em: https://www.dicio.com.br/transladacao/. Acesso em: 27 set., 2018
Publicado
2020-01-18
Como Citar
Santos, P., & Miranda, Z. (2020). Digitalização de Documentos:. Revista Fontes Documentais, 2(3), 26-42. Recuperado de https://aplicacoes.ifs.edu.br/periodicos/index.php/fontesdocumentais/article/view/498